Artigos Carnaval Cidade Comércio/Indústria Destaques Educação Esportes Eventos Música Piadas Política Sociedade Vídeos
você está em » Sociedade
Data de publicação: 29/03/2015    |    Enviar por e-mail   |   Imprimir   |   Tamanho do Texto:     |   Compartilhar:    
Data de Publicação: 29/03/2015
PÁSCOA – PELO MUNDO, UMA CELEBRAÇÃO À VIDA!
2015 - Papa Francisco celebrando a missa do domingo de ramos
Paixão de Jesus Cristo
1953 - Malhação de Jesus Iscariotes por crianças em Catanduva
Páscoa - Ovos simbolizam a Ressurreição da Vida
1953 - Judas por Oscar Valzachi
1953 - População na Praça da República ao lado de Judas Iscariotes

Nelson Bassanetti 

Os pagãos comemoram o início da primavera; os cristãos, a ressurreição de Cristo e os judeus, a liberdade.  

Muito mais que um motivo para se empanturrar de chocolate, a Páscoa  tem uma tradição que remete, acredite, a milhares de anos antes do nascimento de Jesus. A festa tem origem no judaísmo; o Pessach  (passagem),  marca a fuga do povo hebreu do Egito, comandada por Moisés, pelo Mar Vermelho. Jesus era judeu e praticante  e a Santa Ceia seria essa celebração. Segundo o Novo Testamento, era costume libertar um prisioneiro na Páscoa, por aclamação popular. Em vez de Jesus, o povo escolheu Barrabás, condenando o Messias à morte na cruz. No cristianismo, a Semana Santa relembra os últimos momentos de Jesus  na Terra, sua entrada em Jerusalém (Domingo de Ramos), sua prisão (Quinta Feira Santa), morte (Sexta Feira da Paixão) e Ressurreição, que se tornou a Páscoa Cristã.

Simbologia 

Ela está também ligada a costumes pagãos para comemorar o fim do inverno e o início da primavera, numa celebração à renovação da vida, sendo o principal símbolo o coelho que saltitante, é o primeiro sinal da primavera representando a fertilidade e o costume de presentear os amigos com ovos coloridos. A idéia de unir a simbologia do ovo com o sabor do chocolate ocorreu depois do século 18. A nobreza  européia confeccionava ovos de ouro, recheados de diamantes  e a população adaptou o costume com algo mais econômico, primeiramente o açúcar e, mais tarde, o chocolate, expressando  o recomeço e a vitória da vida sobre a morte.

Ecos da Semana Santa em Catanduva em 1953 

Nessa Semana se realimentou a fé Cristã com celebração das cerimônias milenares  que vão atravessando os tempos, reproduzindo toda a odisséia de Jesus Cristo que morreu na cruz  para nos salvar. Começando pelo Domingo de Ramos, na Igreja Matriz de São Domingos foi comemorada a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém onde foram abençoados os ramos e as palmas de coqueiros levados pelos fiéis que segundo a tradição são usados para minorar tempestades. Na Quinta e Sexta Feira Santas, a cerimônia do lava-pés que é lição de humildade seguindo os ensinamentos do Mestre que, na última ceia, depôs o manto, cingiu-se de toalha e lavou os pés dos discípulos.Veio a seguir o Ofício das Trevas, que simboliza a prisão de Jesus no Horto e o abandono do Mestre pelos seus discípulos. Depois foi rememorado o pungente drama do calvário e  após a morte, o Senhor foi guardado, visitado e beijado por todos os fiéis. Em seguida houve a procissão do  enterro ou do Senhor Morto, durante a qual se ouviu uma pessoa com voz plangente representando Verônica, que foi sua  acompanhante em todo o calvário e lhe ofereceu o véu para que limpasse o rosto. Nesses dias, nas cerimônias da Igreja, o sino foi substituído pela matraca.

Sábado de Aleluia e Páscoa

Fora da Igreja, e por tradição, malhou-se um Judas que foi o mais criativo que localizamos. O grande decorador Oscar Valzachi, por encomenda  de Orestes Medaglia, Augusto Canoso, Antonio Piccolo  e  outros, fez um Judas no capricho e o colocou sentado numa cadeira no Jardim da Praça da República. Ao bimbalhar os sinos anunciando a Aleluia, um “carrasco” todo vestido de vermelho, acompanhado de banda de música, saiu da Praça da Matriz, desceu a Rua Brasil indo até onde ele se postava.  Ali, depois de ser lido o testamento, este subiu à forca sob a gritaria dos presentes foi impiedosamente judiado. Aí estouraram as bombas que arrebentaram o corpo de palha e papelão e entre labaredas de fogo e fumaça via-se e ouvia-se o zunido das bordoadas da pancadaria que desceu sobre aquele que traiu e vendeu Jesus Cristo. Uma nota: Atualmente estão tentando indultar Judas Iscariotes (vide endereço no final),   que de traidor passou a colaborador. Fala-se agora, que ele não era o paradigmático vendilhão pintado por São Mateus, nem o pau-mandado de Satã demonizado por São João e sim o mais fiel,  confiável e pragmático dos apóstolos. Se isso for verdade um novo estafermo  deve substituí-lo. Nesse dia na Igreja Matriz foi feita a bênção do fogo, do círio pascal, da água da pia batismal e como era o fim da quaresma os véus roxos e negros foram recolhidos dando lugar aos liriais, e os fiéis meditaram sobre a paixão  e morte de Cristo, a sua descida aos infernos e eis que no domingo este salvando-se subiu aos céus e comemorou-se em procissão o seu triunfo com a Ressurreição. O Domingo de Páscoa é o dia festivo da vitória do amor, da esperança, do sorriso, da alegria, dos cânticos celestiais e do aconchego com o qual a humanidade se entrelaça esquecendo ressentimentos, despedindo os rancores, apagando ódios, reunindo a família numa ceia sublime  como fez  Jesus com os seus apóstolos, todos buscando a  paz, a harmonia, a tranqüilidade  e a fraternidade. 

Pesquisa em várias fontes e na Revista "O Século" de Mozart da Costa Nunes

 

 

VEJA TAMBÉM
1962 - Desfile na Rua Brasil
Grupo de amigos
1962 – Concurso “Rainha do Milho”
Ícones de Catanduva
1962 - Trajes típicos
15 anos de Climene Rezende
1964 - III – Baile da Debutantes
1965 - Família Onofre Tagliari
1924 - Família Espada
1964 - Baile das debutantes
Copyright © Catanduva Cidade Feitiço