Artigos Carnaval Cidade Comércio/Indústria Destaques Educação Esportes Eventos Música Piadas Política Sociedade Vídeos
você está em » Artigos
Data de publicação: 19/03/2015    |    Enviar por e-mail   |   Imprimir   |   Tamanho do Texto:     |   Compartilhar:    
Data de Publicação: 19/03/2015
ARRELIA E CIRCO SEYSSEL EM CATANDUVA (3 fotos)
Waldemar Seyssel já com 90 anos vestido como Palhaço Arreelia
1935 - Propaganda do "Circo Seyssel" no Jornal "A Cidade"
1940 - Propaganda do jogo com participação do palhaço Arrelia com renda em benefício do Guarani Futebol Clube

O nome do palhaço Arrelia é Waldemar Seyssel e ele pertence a uma família de tradição circense. O nome Arrelia foi lhe dado por um tio por sua travessura e ele já desde cedo gostava do cheiro de serragem do picadeiro e foi aprendendo de tudo: barras, trapézio, paralelas, trampolim e depois passou a fazer parte nas “pantomimas” do circo. Sua mãe fez questão que ele estudasse Direito e então Waldemar entrou na Faculdade de Direito São Francisco (Usp) e se formou advogado, mas nem por isso ele deixou de ser Arrelia. Morava sempre em casas alugadas e não debaixo da lona do circo. Faziam excursões por cidades interioranas e longas temporadas em São Paulo. No Largo da Pólvora, certa vez, o Circo ficou ali  instalado por 11 anos. Em 1950, quando surgiu a TV Tupi, foi o primeiro palhaço a participar dos programas e depois, com o “Circo do Arrelia”, ficou 21 anos na TV Record.  Exemplo de vida e arte, esse grande palhaço que nasceu em 31.12.1905 em Jaguariaíva no Paraná, faleceu em  23.05.2005, no Rio de Janeiro, com 99 anos de idade. Hoje, seus seguidores lutam para que  os termos “palhaço e palhaçada”,  seja exclusivo da categoria e não querem que o nome seja associado a falcatruas  e corrupção e desejam que  os novos palhaços mantenham a tradição e não caiam na tentação de vulgarizar a arte.

 

 EM CATANDUVA “Como vai, como vai, como vai ?”

 

 O Circo Seyssel, com a dupla Arrelia e Henrique fizeram história na cidade no tempo em que o circo era um espaço de prestígio.  A trupe chegava por aqui e ficava por longo período, fabricavam gargalhadas e conquistaram a cidade com a graça e o bom humor, ambos centralizavam a atenção e valiam o espetáculo. No final da temporada faziam espetáculos beneficentes. No dia 08.05.1940, Arrelia foi homenageado pelo Guarani Futebol Clube de Catanduva. A sessão foi aberta pelo Dr. José Perri, que passou a palavra ao professor Gumercindo Saraiva de Campos, que falou da construção do Estádio e da ajuda dada por Arrelia ao empreendimento. Depois, o Dr. Ângulo Dias entregou-lhe uma medalha e o professor Geraldo Corrêa fez a leitura do texto do diploma e em seguida Waldemar Seyssel, pronunciou emocionado a brilhante oração de agradecimento. Já nos anos 70, ele falou em entrevista a um canal de televisão que a frase “Como vai, como vai, como vai ?”, foi criada em Catanduva, pois, quando aqui chegava, um Juiz de Direito o recepcionava dessa forma e ele respondia: “Muito bem, muito bem, muito bem !”, daí surgindo o bordão, que  faz parte do folclore nacional.

 

 Pesquisa “Pró-TV” e Jornal “A Cidade” – Arquivo Museu Padre Albino

 

VEJA TAMBÉM
CATANDUVA ESPORTE CLUBE, O FAMOSO EXPRESSINHO (4)
CATANDUVA ESPORTE CLUBE, O FAMOSO EXPRESSINHO (3)
CATANDUVA ESPORTE CLUBE, O FAMOSO EXPRESSINHO (2)
CATANDUVA ESPORTE CLUBE, O FAMOSO EXPRESSINHO (1)
1918 – Nomes de famílias residentes em Catanduva (5 listas)
CICLISMO EM CATANDUVA (1)
GINÁSIO CATANDUVA (7 fotos)
RETROSPECTIVA DO ANO DE 1953, TEM O FILME “CANTANDO NA CHUVA”
Praça da Independência (1)
RETROSPECTIVA DO ANO DE 1931 TEM O FILME “O ANJO AZUL”
Copyright © Catanduva Cidade Feitiço